Encontro de Atualização para Presbíteros finaliza ciclo de atividades

Evento ocorreu entre os dias 02 e 22 de janeiro, em Cachoeira do Campo (MG)

O Encontro de Atualização para Presbíteros, realizado em Cachoeira do Campo (MG), chegou ao fim no último domingo, 22. Abordando todas as dimensões da vida presbiteral – humano-afetiva; espiritual; intelectual; pastoral e comunitária - o evento apresentou como eixo principal a vida, vocação e missão do presbítero. 

Como proposta, o encontro também destacou a centralidade da Palavra de Deus e da Eucaristia no exercício do próprio ministério, favorecendo uma maior unificação e integração da vida pessoal e presbiteral. “Este evento oportunizou um olhar eclesial e prospectivo da nossa realidade. Os momentos de partilha de vida e vocação de cada um proporcionou revisitar a essência do chamado à vida presbiteral, no mundo de hoje”, afirmou um dos participantes do encontro, padre Carlos Silva.

Padre Carlos Silva também destacou uma das motivações do encontro. “Nosso olhar se voltou para a eclesiologia do Concílio Vaticano II, assumido e atualizado pelo papa Francisco. Seu exemplo de vida, suas encíclicas, pronunciamentos, discursos e homilias, apontam luzes para as penumbras de nosso tempo. Assim somos chamados a fazer tudo fundamentado na Palavra de Deus. Ela precisa ser escutada e não somente ouvida, para que ela seja, em nossa vida e missão, a alma, que nos impulsiona ao anúncio, celebração e vivencia da fé”, apontou.

Desafios

Com a finalização do evento, os vinte e cinco presbíteros participantes tomaram para si alguns desafios para os próximos encontros, um deles é o de impulsionar o crescimento da Pastoral Presbiteral. “Diante deste encontro saímos com alguns desafios. Primeiro, impulsionar uma Pastoral Presbiteral autêntica e eficaz em todas as dioceses, como espaço fraterno e afetivo de partilha e atualização teológica e pastoral”, afirma padre Carlos.

Ainda de acordo com o presbítero, outros desafios precisam ser cumpridos. “Também temos como desafio fazer um esforço pessoal para o cultivo da espiritualidade e mística sacerdotal. Precisamos assumir a formação permanente em todas as dimensões da vida presbiteral e, por último, adotar uma vida saudável nutrindo tudo o que nos potencializa a ser e corresponder aquilo que Deus, a sociedade e a Igreja esperam de nós”, finaliza.