Diocese de Jundiaí celebra 50 anos de existência

Festa do Jubileu de Ouro reuniu milhares de fiéis

A diocese de Jundiaí (SP) chegou a meio século de história e como forma de comemorar realizou a festa do Jubileu de Ouro que contou com a presença de uma multidão de fiéis no Ginásio de Esportes Doutor Nocolino de Lucca (Bolão). A celebração uniu cerca de nove mil pessoas, no domingo, 8 de janeiro. A missa festiva foi presidida pelo bispo diocesano, dom Vicente Costa, e concelebrada pelo arcebispo de São Paulo, cardeal dom Odilo Pedre Scherer, além de bispos convidados. 

Na celebração eucarística, depois de destacar a Epifania, as manifestações de Deus na diocese, desde a sua fundação, dom Vicente fez o envio dos 15 mil missionários das Santas Missões Populares, representados por paróquias, para as Semanas Missionárias. “Que não seja apenas uma semana, mas que sejamos missionários convictos sempre. A missão é a carteira de identidade do cristão. Não esqueçam!”, disse Dom Vicente. 

O bispo acredita ter sido inspiração divina o desejo de marcar o momento presente da igreja particular de Jundiaí com o Projeto das Santas Missões Populares lançado em 2015. “Esta Igreja quer dar este presente ao Senhor Jesus que veio nascer entre nós no Natal e que se manifesta a toda a humanidade nas figuras dos Magos. Como eles, queremos trilhar um outro caminho, um novo caminho de evangelização, indo à procura daqueles que não tiveram a alegria de experimentar, de viver na companhia íntima e profunda com o Senhor”, explicou.

“Por isso, a Igreja Diocesana de Jundiaí envia hoje seus missionários e suas missionárias para irem ao encontro de todos, em todos os ambientes de vida...”, prosseguiu. E acrescentou: “Como os Magos, somos enviados por Deus, como seus missionários e suas missionárias, para oferecer o ouro, ou seja,  toda a nossa riqueza, tudo de melhor que possuímos; o incenso, convidando as pessoas para se abrirem ao Absoluto, ao Transcendente, ao Deus que nos ama com incomensurável amor; e a mirra: para curar, para aliviar as dores dos nossos irmãos feridos, cansados, maltratados e abandonados para acolher e servir a todos, aliviando as suas dores, curando suas feridas de qualquer natureza que seja, oferecendo-lhes vida, e vida em abundância, que somente nosso Senhor pode oferecer”. 

Além de falar do passado, do presente e do futuro da diocese, dom Vicente mencionou diversas vezes a homilia do papa Francisco sobre a Epifania. Lembrou, ao finalizar seu discurso, a citação de São João Crisóstomo: "Os sábios do oriente não se puseram a caminho porque viram a Estrela, mas viram a Estrela porque já estavam a caminho, tinham como disse o papa Francisco, uma nostalgia por Deus, pelas coisas santas e por essa razão, chegaram ao menino”.

De acordo com o padre Leandro Megeto, a celebração dos 50 anos da diocese de Jundiaí foi momento propício de se alegrar com as conquistas e realizações. “Foi também momento de reconhecer nossos erros e limitações, mas acima de tudo é tempo de realizar a vontade de Deus no momento da história. É tempo de festa e de alegria!”, disse o coordenador da Ação Evangelizadora e da Comissão Jubilar.

Histórico

Criada no dia 7 de novembro de 1966, pela Bula “Quantum Conferat” do papa Paulo VI, a diocese de Jundiaí foi instalada canonicamente no dia 6 de janeiro de 1967, numa memorável celebração festiva que contou com imensa multidão de fiéis e numerosas autoridades eclesiásticas, civis e militares. Tomou posse, naquele dia, seu primeiro bispo, dom Gabriel Paulino Bueno Couto. Desde o Jubileu de Prata, em 1992, foi reconhecida pela Santa Sé como Padroeira Diocesana, Nossa Senhora do Desterro, que é também patrona da cidade de Jundiaí desde 1615. 

Fazem parte da diocese de Jundiaí 66 paróquias e uma área pastoral, em onze cidades: Jundiaí, Cabreúva, Cajamar, Campo Limpo Paulista, Itu, Itupeva, Louveira, Pirapora do Bom Jesus, Salto, Santana de Parnaíba e Várzea Paulista. Hoje, a diocese tem uma população de mais de um milhão de habitantes, dos quais cerca de 66% professam a fé católica. Conta ainda com 87 sacerdotes incardinados, 25 sacerdotes membros de Institutos Religiosos e 91 diáconos permanentes e 50 seminaristas.

Com informações da diocese de Jundiaí