Regional Centro-Oeste da CNBB envia missionário para a Amazônia

Ex-coordenador do Comire vai passar três anos no projeto de evangelização

O presidente do regional Centro-Oeste da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e bispo de Uruaçu (GO), dom Messias dos Reis Silveira, presidiu a missa de envio do padre Marcelo Gualberto para uma missão de três anos, a princípio, na diocese de Alto Solimões (AM). A celebração, no dia 5 de outubro, que foi concelebrada pelo bispo diocesano de Alto Solimões, dom Adolfo Zon Pereira, aconteceu na paróquia São Francisco de Assis, na cidade de Niquelândia (GO), onde o padre serviu por dois anos.

O missionário já foi secretário nacional da Pontifícia Obra da Propagação da Fé, organismo oficial da Santa Sé para a cooperação missionária e atualmente estava à frente da coordenação do Conselho Missionário Regional (Comire). 

Padre Marcelo relatou ao site do regional Centro-Oeste da CNBB as motivações que o levam para a missão na Amazônia. Ele comentou que a ideia estava sendo amadurecida na diocese de Uruaçu há quatro anos e meio. Depois que deixou a função de secretário nas Pontifícias Obras Missionárias (POM) há três anos, ele colocou o seu nome à disposição, caso a diocese abraçasse um projeto de envergadura missionária. Ele já esteve na Amazônia em algumas oportunidades: na Missão Jovem, promovida pela CNBB em 2015, e assessorando encontros da Juventude Missionária (JM) quando era secretário das POM.

A paróquia São Paulo Apóstolo, no município de São Paulo de Olivença (AM), onde o missionário irá atuar, está localizada no extremo oeste do Amazonas, a 940 km de distância de Manaus e 560 da sede diocesana, que fica na cidade de Tabatinga (AM), que, por razões históricas, leva o nome de um dos principais rios do Amazonas.

O município é vizinho da cidade de Letícia, na Colômbia. Tabatinga está situada ainda na tríplice fronteira do Brasil com a Colômbia e o Peru e faz limite com a diocese de Cruzeiro do Sul (AC) e a prelazia de Tefé (AM), região de muitos desafios sociais. “Essa tríplice fronteira tem desafios imensos como o narcotráfico, a exploração de crianças, o tráfico de pessoas, além de toda a realidade indígena”, relatou.

O bispo de Uruaçu, dom Messias, explicou qual o significado do envio do padre Marcelo em missão à Amazônia. “Há muito tempo os bispos da Amazônia têm feito apelo aos bispos do Brasil para que envie missionários para aquela região e nós estávamos nos preparando para esse momento que chegou. Recentemente celebramos o Congresso Eucarístico Nacional com o tema ‘Eucaristia e partilha na Amazônia missionária’, portanto, aqueles que têm contato com a Eucaristia são chamados a partilhar para ajudar aqueles que estão com tanta fome da Palavra de Deus, do Pão Eucarístico e da ação pastoral, por isso enviamos o padre Marcelo na esperança de colaborar para que o povo li possa viver saciado”, justificou. O bispo também destacou que é desejo da diocese continuar o projeto com outros missionários no futuro. “Oxalá num futuro próximo tenhamos mais missionários para colaborar com o projeto. Se for da vontade de Deus, o faremos com alegria”, completou.

Com informações do regional Centro-Oeste da CNBB