Repam realiza Seminário no Tocantins

Série de Seminários da Repam chega ao regional Norte 3 da CNBB

A diocese de Miracema do Tocantins (TO) acolheu o quinto seminário de aprofundamento do conteúdo da encíclica do papa Francisco Laudato Si’ – sobre o cuidado da casa comum. O evento, promovido pelo Comitê brasileiro da Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam), teve a participação de representantes das dioceses do regional Norte 3 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), do Ministério Público Federal e de entidades da região. Ao final do encontro, foi divulgada uma carta compromisso na qual os presentes pretendem, entre outros compromissos, criar “uma rede de solidariedade em defesa da vida” nas periferias geográficas e existenciais da região. 

Na abertura do Seminário, o bispo de Miracema do Tocantins e presidente do regional Norte 3 da CNBB, dom Philip Dickmans, fez o apelo aos bispos, presbíteros, religiosos, seminaristas, leigos, indígenas, quilombolas e representantes de entidades para que não esqueçam o nome “Repam” e os compromissos relacionados à rede. “Nossa participação não é só voluntária, mas que seja um compromisso da cada um. Se amamos a criação, temos que defendê-la, pois é a voz do próprio Cristo que fala”, disse o bispo.

Presente no encontro, o arcebispo emérito de São Paulo (SP) e presidente da Repam, cardeal Cláudio Hummes, ressaltou a proposta dos seminários nos regionais da CNBB, que são realizados em uma parceria do Comitê Nacional da Repam, regionais da CNBB (Norte 1, 2 e 3, Oeste 2, Noroeste e Nordeste 5), a Comissão Episcopal para a Amazônia e o Grupo de Trabalho sobre a encíclica Laudato Si’. O objetivo da realização é mapear e investigar a territorialidade amazônica, modelos alternativos de desenvolvimento e repostas à realidade de mudanças climáticas. 

Dom Cláudio Hummes lembrou que “os grandes vilões da destruição e degradação do meio ambiente não é somente o desmatamento, mas a formação das grandes cidades e o petróleo que produz o gás carbônico”. O cardeal questionou os participantes sobre a presença das temáticas apresentadas na encíclica na catequese e na liturgia. Ele finalizou a sua fala afirmando que “em Jesus Cristo a terra já foi salva e glorificada”, porém é necessário preservá-la. “A terra hoje geme em dores de parto, esperando que nós a libertemos”, afirmou.

Realidade

O encontro foi marcado por debates, palestras, momentos de convivência, celebrações e trabalhos em grupos, quando foram abordados temáticas como violência nas cidades, meio ambiente, questões indígenas, comunidades quilombolas, migração e tráfico de pessoas, economia solidária, realidade do campo e religiosidade. Tal abordagem apontou os desafios e a realidade do regional, bem como compromissos e ações que devem ser assumidos.

Os povos indígenas Xerentes, que participaram do encontro, expuseram em suas colocações as preocupações com a preservação da “Casa Comum”. Susana, pertencente à etnia, alertou da necessidade de se escutar as águas, as matas. “Todos os que pertencem à terra se comunicam e é por isso que há vida”, afirmou. Romário, jovem Xerente, disse que humanidade é a natureza e indicou que, “com essa consciência, seremos capazes de nos preocuparmos com o que está acontecendo com a terra e mudarmos nossa maneira de agir e pensar”.

Compromisso

A carta compromisso divulgada ao final do Seminário parte do convite de cuidar da casa comum. Neste sentido, “a Igreja no Tocantins, estimulada pela Repam, assume o compromisso e conclama outras organizações a se engajar na luta pela defesa do cerrado, apoiando a proteção, demarcação e titulação das terras e territórios indígenas, quilombolas e camponeses”, afirmam os participantes no texto.

As dioceses do Tocantins, entidades e comunidades tradicionais assumiram o compromisso de fortalecer as iniciativas existentes e apoiar o surgimento de outras nas paróquias, para a sensibilização das questões ambientais. Também irão cobrar celeridade do Supremo Tribunal Federal para julgar e anular a vigência da Lei Estadual 2713/2013, que isenta de licenciamento ambiental todos os projetos agrossilvipastoris no Tocantins. Contrários ao projeto de expansão das fronteiras agrícolas chamado Matopiba, os agentes também participarão da campanha de defesa do Cerrado, motivada pela Comissão Pastoral da Terra (CPT).

Seminários

Os Seminários da Repam sobre a encíclica Laudato Si’ irão fortalecer a organização da Repam no território brasileiro, contribuir para estabelecer uma base da plataforma de mapeamento das articulações presentes na região. Também ajudarão no intercâmbio e colaboração dos esforços em defesa da vida, da floresta amazônica, das populações locais e do bem comum em toda a bacia amazônica, dando uma atenção especial para as fronteiras.

Com informações e foto da diocese de Miracema do Tocantins (TO)