Pastoral Carcerária do Ceará divulga nota sobre rebeliões nos presídios do Estado

No texto, a entidade denuncia atitudes violentas e discurso de ódio

Diante das situações de violência nos presídios do Ceará, a Pastoral Carcerária do regional Nordeste I da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nota, no dia 24, na qual posiciona-se sobre a situação dos presídios do Estado e as recentes rebeliões que terminaram com a morte de quatorze detentos. 

“Há pouco menos de duas semanas, o Conselho Nacional de Políticas Criminal e Penitenciária - CNPCP, após inspeção em diversas unidades, ratificou a insustentabilidade do sistema e sinalizou a necessidade de adoção de medidas urgentes para a contenção de eminente colapso nas instituições prisionais”, afirma a nota.

Ainda, de acordo com a mensagem, as rebeliões teriam iniciado após suspensão da visita dos familiares aos presos. 

“A constante (e antiga) violação de direitos humanos, incluindo a falta de condições mínimas de salubridade e de estrutura física, a ausência de assistência médica, religiosa, psicológica, jurídica, bem como a superlotação e a violência contra os presos e seus familiares, atingiram o seu ápice com a proibição da visita das famílias no sábado, dia 21/05/2016, em que pese se tratar de direito expressamente assegurado na Lei de Execução Penal. Ademais, para os internos e seus familiares, o direito de visita é considerado sagrado e inviolável”, observa a Pastoral. 

Ao final, a Pastoral Carcerária reafirma o compromisso com a dignidade humana e o combate a qualquer tipo de violência contra a vida e incitação ao ódio. “A lógica do encarceramento e o discurso de ódio disseminados na sociedade fogem completamente aos preceitos Cristãos e em nada contribuem para a pacificação social. O engajamento de todas as igrejas, organizações sociais e pessoas de boa vontade é, pois, essencial para fomentar esse novo olhar”, destaca o texto. 

Confira a íntegra da nota: http://migre.me/tWXbW

CNBB com informações da Pastoral Carcerária.