Missa é dedicada à Amazônia

Na homilia, cardeal Cláudio Hummes destacou pronunciamentos do papa Francisco e presença de missionários na região


“À medida que encurtarmos as distâncias, a Igreja faz a diferença”, disse o arcebispo emérito de São Paulo e presidente da Comissão Episcopal para a Amazônia, cardeal Cláudio Hummes, na missa desta quarta-feira, 13 de abril.

A missa, dedicada à região amazônica, foi concelebrada pelo arcebispo de Manaus (AM), dom Sérgio Eduardo Castriani, e pelo bispo emérito do Xingu (PA), dom Erwin Kräutler. 

Na homilia, cardeal Hummes agradeceu ao papa Francisco por estimular e encorajar o trabalho missionário na Amazônia, bem como por dar atenção à região e à Igreja na Amazônia. “Ele tem manifestado isso constantemente. Diz que temos de arriscar, ousar. A Igreja tem de ter coragem de avançar, caminhar”, disse ao recordar os pronunciamentos do papa sobre a região. 

Dom Cláudio agradeceu também a CNBB “pela crescente atenção que está dando à Amazônia” e os bispos que estão trabalhando nas suas dioceses por suscitar vocações missionárias na região, o que exige “ sacrifício, despojamento, vontade e paixão que só o Espírito Santo pode ascender”, afirmou. 

O arcebispo lembrou, ainda, de todos os missionários que fizeram e faz a história da evangelização na Amazônia. “São santos e santas missionárias”, sublinhou. 

“Os missionários sempre pregaram Jesus Cristo, o Deus que se faz próximo, misericordioso, que venceu a morte, venceu o pecado. Esse anúncio da ressurreição que temos de levar de novo”, acrescentou.

Ao citar a Evangelli Gaudium, dom Cláudio disse que “ papa pede a transformação missionária de toda a Igreja, que deve ir às periferias, aos mais sofridos, abandonados, humilhados para fazer a misericórdia” e que isso  “significa encurtar as distâncias”.  “Uma Igreja pobre e para os pobres”, complementou.