Grupo trabalha para atualizar documento sobre dízimo

Documento foi publicado há quarenta anos

O arcebispo de Salvador (BA) e vice-presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Murilo Krieger, conduziu reflexão sobre o dízimo, no início da tarde desta sexta-feira, 8, durante a 54ª Assembleia Geral da entidade, que ocorre em Aparecida (SP). 

Dom Murilo também preside a Comissão para o Dízimo, responsável por atualizar o documento publicado há quarenta anos. 

O arcebispo explicou que para atender uma solicitação dos bispos, a Presidência da CNBB constituiu um grupo de trabalho com o objetivo de motivar amplo debate sobre o tema e promover a partilha de experiências da Pastoral do Dízimo nas Igrejas Particulares. “O grupo realizou três ações: uma consulta ao episcopado durante a 53ª Assembleia da CNBB, um seminário com representantes das dioceses do País, entre no início do mês de novembro do ano passado e organizou a edição de um livro, intitulado ‘Dízimo: uma proposta bíblica”, relatou. 

Segundo dom Murilo Krieger, “percebeu-se que a diversidade cultural do Brasil e as características próprias acumuladas das Igrejas particulares desaconselham a elaboração de um plano nacional de implantação ou organização da Pastoral do Dízimo”. A proposta apresentada aos bispos foi organizada em duas partes e abordam o significado do dízimo, suas dimensões e finalidades.

Dom Murilo explicou que finalidade da Pastoral do Dízimo encontrou a sua inspiração no Código de Direito Canônico. As orientações pastorais, por sua vez, foram estruturadas em seis seções, tratando com especial atenção a relação do dízimo com a experiência de fé e da Pastoral do Dízimo com a Pastoral de Conjunto. Depois de exposta a reflexão, os bispos seguiram em grupos de trabalho por regionais para analisar e discutir o documento.