Dom Sérgio Castriani é cidadão amazonense

Edmar Perrone/AleamO arcebispo de Manaus (AM), dom Sérgio Eduardo Castriani, recebeu o título de Cidadão do Amazonas. A condecoração foi entregue no último dia 13, durante sessão especial da Assembleia Legislativa do Estado. “É um privilégio viver no Amazonas, partilhar da vida do povo ribeirinho, região única do mundo, com rica biodiversidade”, disse o bispo.

Dom Sérgio Castriani foi lembrado como “dedicado pastor, grande animador, com relevante atuação no Amazonas e com vasta caminhada junto ao povo” daquela região do Brasil.

A atuação com as comunidades ribeirinhas, com os povos indígenas e com os mais necessitados, a busca de garantia dos direitos básicos da população e a luta pela preservação ambiental, foram justificativas para o reconhecimento público, segundo os parlamentares.

Para dom Sérgio, o título lhe implica responsabilidade. “É uma honra receber esse título. E me leva a ter mais compromisso com a cidadania, com aqueles que são excluídos da cidadania plena, de continuar a servir, a lutar e criar oportunidades. Vim para essa região como missionário e essa homenagem compartilho com todos e todas da Igreja, missionários e missionárias”, afirmou.

O pároco da igreja Menino Jesus de Praga e diretor do Instituto de Teologia, Pastoral e Ensino Superior da Amazônia (Itepes), padre José Cândido Cocaveli, afirmou que dom Sérgio nunca poupou esforços para estar com os mais pobres. “Homem de igreja, incentivador das comunidades. Homem de Deus, trabalhador do Reino, que tem como título o ‘lavador de pés’, que veio para servir, com grande espírito de comunhão e de participação”, contou o sacerdote.

Trajetória

Dom Sérgio Castriani nasceu em Regente Feijó (SP), em 31 de maio de 1954. Sua ordenação presbiteral na Congregação do Espírito Santo (Missionários Espiritanos) foi em dezembro de 1978. Foi nomeado bispo em 27 de maio de 1998, sendo designado para a prelazia de Tefé (AM). Em 12 de dezembro de 2012 assumiu a arquidiocese de Manaus. Seu lema espicopal é “Habitou entre nós."

Antes do episcopado dom Sérgio foi vigário paroquial e pároco, em Feijó (AC). Atuou como diretor da casa de Filosofia dos Espiritanos, em São Paulo (SP). Também foi ecônomo provincial e conselheiro geral. Trabalhou como assessor da Pastoral da Juventude, professor e vigário paroquial em São Paulo (SP).

Como bispo, foi secretário do regional Norte 1, presidente da Comissão Episcopal para a Ação Missionária e Cooperação Intereclesial e membro da comissão de preparação do Documento 100 da CNBB “Comunidade de Comunidades: uma nova paróquia – a conversão pastoral da paróquia”.