Comissão avalia contribuições ao texto "Estudo 107" da CNBB

Após três meses do lançamento do Estudo nº 107, “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade”, lideranças participaram do 7º Seminário dos Bispos Referenciais da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato, da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), para avaliar as  sugestões  ao texto e discutir os andamentos dos trabalhos da Comissão.

 O encontro, realizado de 28 a 30 de outubro, reuniu assessores, leigos e representantes de associações, movimentos e novas comunidades com o objetivo de recolher as contribuições enviadas pelas dioceses e regionais que refletiram sobre o Estudo 107.

O bispo de Caçador (SC) e presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato, dom Severino Clasen, explica que o texto foi bem aceito pelas comunidades que têm discutido sobre a dimensão do cristão leigo em assembleias diocesanas e paroquiais, formações, seminários. “Rebemos diversas propostas para melhorar o texto de estudo.

Na ocasião, os bispos e leigos também avaliaram os quatro anos de atividades da Comissão para o Laicato. Os resultados apontam amadurecimento e consolidação dos trabalhos voltados aos leigos na Igreja no Brasil. “Percebemos que houve evolução no diálogo da Comissão com diferentes instâncias como as novas comunidades, associações laicais, movimentos. Na avaliação, concluímos que devemos prosseguir neste entusiasmo e na unidade”, disse dom Severino.

Nova redação

Os trabalhos dos Seminário tiveram continuidade na reunião da Comissão para o Laicato, nesta sexta-feira, 31, na sede da CNBB, em Brasília. Membros da equipe de redação do texto sobre “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade” dão encaminhamento às próximas etapas dos trabalhos. A proposta da Comissão é apresentar aos bispos uma redação ampliada e revisada do Estudo 107, na 53ª Assembleia Geral da Conferência, em Aparecida (SP), em abril de 2015. O objetivo é que o texto seja aprovado como documento da Igreja no Brasil.

O texto busca animar o laicato na compreensão de sua atuação como sujeitos eclesiais nas diversas realidades em que se encontram inseridos. A organização do material baseia-se no método ver-julgar-agir e divide-se em três capítulos: “O Mundo Atual: Esperanças e Angústias”, “O Sujeito eclesial: Cidadãos, Discípulos e Missionários”, e “A ação Transformadora na Igreja e no Mundo”. 

“Queremos, ainda, mobilizar a partir destas reflexões todo o laicato do Brasil para o Ano do Leigo, propondo a conscientização da missão dos leigos na Igreja e na sociedade, o papel dos conselhos laicais, formações e atuação”, explica dom Severino.