Bispos avaliam Ensino Religioso no Brasil

Com o objetivo de iniciar um levantamento de dados e discutir questões advindas da realidade das diferentes regiões do país, bispos referenciais do setor  Ensino Religioso, nos regionais,  estiveram reunidos no 3º Encontro Nacional, realizado entre os dias 23 e 25 de setembro, em São Paulo (SP).  

Sob a coordenação do bispo coadjutor de Santos (SP) e referencial do Ensino Religioso da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Tarcísio Scaramussa, os participantes buscaram obter uma visão da situação do ensino religioso no Brasil, diante da oferta desse componente curricular por parte das redes de ensino, tanto mantidas por entidades católicas, quanto as que integram as redes oficiais de ensino, além de acompanhar a formação inicial e continuada de professores desta área de conhecimento. Dom Tarcísio contou com a assessoria da professora Anísia de Paulo Figueiredo.

Participaram do evento representantes dos regionais Sul 1, Sul 2, Leste 1, Leste 2, Centro-Oeste, Nordeste 1, Nordeste 3 e Nordeste 4, além de representações da Associação Nacional das Escolas Católicas (Anec), da Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB) e do Fórum Nacional Permanente do Ensino Religioso (Fonaper).

Na pauta do encontro estiveram momentos de reflexão; contextualização do Ensino Religioso no Brasil nos últimos 30 anos, com síntese das realizações do episcopado nos sucessivos períodos de atuação dos bispos responsáveis pela área na CNBB; avaliação do contexto em que esta área de conhecimento se encontra em relação às demais áreas de educação básica; e ainda a situação da formação inicial e continuada dos professores de ensino religioso.

As reflexões irão basear as ações dos regionais da CNBB para o acompanhamento do Ensino Religioso junto às redes de ensino, e em especial as mantidas por entidades católicas, para contribuir sobre o entendimento da matéria nas escolas brasileiras e a necessidade de formação inicial e continuada. Assim, a CNBB acredita estar cumprindo seu papel de acompanhar os avanços e desafios relacionados ao ensino religioso no país, respeitando a autonomia dos sistemas de ensino e exigindo o cumprimento da legislação vigente.