Província Eclesiástica de Mariana aprofunda discussão sobre o leigo na Igreja Católica

O papel do leigo na Igreja e na sociedade. Este foi o principal assunto tratado na reunião da Província Eclesiástica de Mariana (MG), que aconteceu na quinta-feira, dia 18, na paróquia de São Judas Tadeu, em Caratinga. Estiveram presentes bispos, padres e leigos das dioceses de Caratinga, Governador Valadares e Ipatinga/Coronel Fabriciano, além da arquidiocese de Mariana.

Durante toda a parte da manhã, os participantes discutiram aspectos do Estudo 107 da CNBB, que tem como tema “Cristãos leigos e leigas na Igreja e na sociedade - Sal da Terra e Luz do Mundo”. O estudo, que ainda está sendo desenvolvido pela Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), vai contar com emendas e alterações que serão feitas a partir de sugestões de dioceses de todos o país.

Segundo o arcebispo de Mariana, dom Geraldo Lyrio Rocha, a forma escolhida para produzir o documento representa um avanço. “Primeiro eu gostaria de enfatizar a importância deste processo. Os bispos do Brasil, antes de se manifestarem e dirigir a toda a Igreja do Brasil a sua palavra de pastores, estão primeiro procurando ouvir e dar voz ao povo santo de Deus na sua expressão laical, especialmente no documento sobre os leigos. Eu acho um avanço no processo eclesial, uma Igreja que quer crescer sempre e mais na comunhão da participação”, destacou dom Geraldo, propondo que o trabalho de estudo feito pelas diversas pastorais respeite uma metodologia adequada. “Este não é propriamente um texto para todos os grupos de reflexão. Evidentemente que não é isso. As lideranças, coordenações das pastorais, da catequese, da dimensão sociopolítica e o próprio conselho de leigos da nossa arquidiocese de Mariana está procurando coordenar toda esta demanda e unificar as contribuições para depois encaminhar à CNBB”, explicou o arcebispo.

A dinâmica de trabalho sobre o estudo foi coordenada, na reunião, por representantes da diocese de Itabira/Coronel Fabriciano. A presidente do Conselho de Leigos da diocese, Maria Imaculada de Oliveira, acredita que este é um momento importante para os leigos, mas destaca que é preciso estudar. “A esperança é que as pessoas consigam entender a proposta de estudar o documento em pequenos grupos e que os padres e bispos nos auxiliem incentivando as pastorais para que todos entendam que é preciso estudar e contribuir para a Igreja neste momento”, salientou Imaculada. Ainda, segundo ela, é preciso que o trabalho seja feito com método. “Eu acho que o estudo deve ser feito por tema. O documento traz três blocos divididos por temas e então devemos pegar cada um deles e distribuirmos em pequenos grupos, aí sim você consegue estudar todo o texto”, finaliza.

O texto, lançado este ano pela CNBB, tem três capítulos que tratam do “Mundo atual: esperanças e angústias”, do “Sujeito eclesial: cidadão, discípulos missionários” e da “Ação transformadora da Igreja no mundo”. Um dos objetivos do documento é trabalhar o papel do leigo em uma Igreja “em saída”, como disse o papa Francisco. “Eu acredito que precisamos, por meio dos conselhos diocesanos de pastoral, entrar em pormenores do documento e tirar ideias mais concretas. As pastorais são todas compostas de leigos e é aí que deve ser feito o estudo. Temos que aproveitar a oportunidade e fazer um documento realmente para os leigos”, disse o bispo da diocese de Caratinga, dom Emanuel Messias de Oliveira.

A importância do leigo na Igreja e na sociedade também foi destacada por dom Geraldo Lyrio Rocha. Segundo ele, o papel das pessoas não pode ser reduzido. “Devemos refletir sobre o duplo aspecto da vocação, da missão do leigo na Igreja e no mundo. Não podemos cortar esta reflexão e nem reduzi-la unicamente à participação do leigo no espaço interno da Igreja e nem como se fosse unicamente no espaço do mundo, da sociedade. Nós precisamos manter esta dupla presença, esta dupla missão, este duplo campo de atuação porque é importantíssima a participação do leigo nos espaços eclesiais, mas é fundamental e indispensável a sua ação no mundo. Igreja e sociedade são campos onde o leigo tem missão específica a realizar”, finalizou dom Geraldo.

Meio Ambiente

Outro assunto tratado durante a reunião da Província refere-se aos problemas relativos ao meio ambiente, tema que afeta a todos os municípios que compõem as quatro dioceses. Para aprofundar a discussão, foi confirmada a promoção de um encontro da Província Eclesiástica de Mariana sobre Meio Ambiente. O evento, que irá aprofundar reflexões a partir da realidade de cada região e os desafios enfrentados, acontecerá de 21 a 23 de novembro e contará ainda com a participação da diocese de Guanhães. O local do encontro ainda será definido e cada diocese enviará 15 representantes.

Fonte e fotografia: Departamento de Comunicação da arquidiocese de Mariana.